A vida nem sempre nos dá o que queremos mas dá-nos sempre o que necessitamos

.posts recentes

. Constatação #3

. Na Cabeceira

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
18
21
24
25
28
31

.Estante

. pedaços meus

. gostos

. cinema

. escapadinhas

. homens da minha vida

. leituras

. lições

. 25abril

. constatação

. ecplise lunar

. musica

. restaurantes

. teatro

. todas as tags

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Sexta-feira, 29 de Julho de 2011

Constatação #3

Fico triste quando estou perto do final de um livro que gosto!

Estante: ,
publicado por Anne Vanilla às 20:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 17 de Maio de 2011

Na Cabeceira

 

Sinopse:

Emma tem vinte e seis anos - bonita, inteligente, feliz e vive com o namorado de infância, John, num agradável apartamento em Dublin. O seu maior problema é a mãe não parar de insistir para que se casem já. Emma e John sentem-se o casal perfeito, com um futuro cheio de possibilidades. Mas, de repente, John morre num terrível acidente, e Emma mergulha no desespero. Amava-o mais do que à própria vida - e agora a morte tirou-lho.
À medida que emerge da dor, Emma tem de encontrar uma nova forma de viver, e os amigos leais unem-se para tentar ajudar. Clodagh, amiga de sempre de Emma, com quem ela partilhou tudo, desde bolos de lama a namoros desastrosos. Anne e Richard, mais ou menos bem casados e a debaterem uma mudança para o campo. O irmão de Emma, Noel, o jovem padre católico que vê a sua própria fé testada enquanto tenta confortar Emma. Seán, o belo mau rapaz das mil e uma namoradas, desconfortavelmente ciente da sua crescente ligação a Emma.
De forma espirituosa, mordaz e, às vezes simplesmente chocante, Emma documenta as histórias dos amigos e a sua própria recuperação da dor com uma franqueza que envolve o leitor desde a primeira página.

in Wook

 

Um Livro delicoso, uma escrita suave e fresca e uma história cativante. 

 

"As recordações são coisas absurdas. Algumas são vagas, outras cristalinas, outras ainda demasiado dolorosas para as lembrarmos e outras, então, deixaram-nos tanta dor que não conseguimos esquecê-las."

Estante:
publicado por Anne Vanilla às 19:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito